Release dos expositores

Informe B&F Dias

Energia solar: Uso em equipamentos especiais nas ETES

Redução de custos e melhor desempenho são alguns dos benefícios do uso de energia solar em aplicações especiais nas estações de tratamento.

A utilização da energia solar nas Estações de Tratamento de Efluentes (ETES) não só é possível, como apresenta melhores desempenhos, especialmente quando se refere a resultados, custos e sustentabilidade ambiental. Além disso, a energia solar é um importante componente de equipamentos especiais utilizados dentro das estações.

Um exemplo é o secador de lodos da Huber Technology, que funciona totalmente a base de energia solar, sem necessitar do aporte de outra fonte de energia. A secagem solar de lodos é uma técnica consolidada mundialmente, utilizada em larga escala em estações de tratamento de águas, esgotos e efluentes industriais.

O principal objetivo da técnica é a diminuição do peso/volume do lodo e, consequentemente, a redução de seu custo com transporte, disposição, facilidade de armazenamento e manejo. Além da redução do volume do lodo, a secagem solar pode transformar o resíduo gerado em estações de tratamento de água e esgoto em recursos.

Como funciona o equipamento especial à base de energia solar nas ETES

O secador de lodos da Huber funciona com um sistema que utiliza pás duplas. Elas movimentam constantemente o lodo, o que o diferencia das outras tecnologias disponíveis no mercado. Utilizando este método de revolvimento, o lodo pastoso é transformado em grânulos com formato bem definido, além de ficar constantemente em contato com o ar.

Outro diferencial dos sistemas de pás é a possibilidade de transportar o lodo ao longo da estufa permitindo que, por exemplo, o descarte do lodo seco seja realizado pelo mesmo lado da alimentação.

Isso ocorre porque o dimensionamento do sistema de secagem é feito de maneira que 99% de toda superfície do leito de lodo seja processada, evitando assim “zonas mortas” de anaerobiose, ou seja, formação de odor. O conjunto de pás passa tão perto da mureta de sustentação lateral que nenhum lodo permanece intacto nos cantos.

Até 1000 m³ de lodo podem ser processados por hora e na zona em que o lodo é mais úmido, o revolvimento pode acontecer a cada 15 minutos se necessário, com o objetivo de evitar fermentação.

Custos reduzidos

Um estudo realizado pela fabricante em uma indústria automobilística no Brasil comprova essa eficiência. O lodo com teor de sólidos entre 2,5% e 3,5% era transportado até um conjunto de filtros-prensa que removiam água até a concentração de 15 a 18%. Com o uso do secador, que deverá ser instalado após o sistema de desaguamento, a umidade do lodo deverá cair de 85% para 15%.

Ou seja, o lodo na saída do secador terá uma concentração de sólidos de 10 a 15 % e o seu peso será reduzido em 80%. Em outras palavras, conforme atesta a Huber, o custo mensal com transporte e disposição de lodo também é reduzido em cerca de 80%.

Esse estudo se transformou em um projeto executivo com previsão de implantação em 2018. Os ganhos com a redução da quantidade de lodo descartada trouxeram ao projeto um retorno acima das taxas de mercado e um retorno do investimento inferior a dois anos.

Energia solar para diversas aplicações dentro das ETES

Outra possibilidade de utilização da energia solar dentro das estações de tratamento de água e esgoto é um sistema de energia misto, desenvolvido pela BF&Dias. Chamado de B&F Energy (https://bfdias.com.br/produtos/bf-energy/ ), ele conta com um kit especial formado por placas fotovoltaicas, sistema de controle e suportes para as placas. Todo o sistema é desenvolvido e adaptado de acordo com as especificidades de cada projeto.

A geração de energia é obtida através da irradiação solar em contato com as placas fotovoltaicas, que a captam e transformam em energia elétrica. Com o uso da energia solar, há grande redução do consumo da eletricidade paga, e conforme o tamanho da planta geradora instalada, e do período de insolação, é possível suprir integralmente o seu custo.

A utilização da energia solar não só reduz o gasto com energia elétrica, mas também oferece fontes renováveis e proporciona segurança às estações de tratamento, ao garantir mais uma alternativa de abastecimento de energia. Além disso, a ausência de manutenção, o custo zero de operação e o rápido retorno de investimento garantem a eficiência, a efetividade e a produtividade de todo o processo.

Congresso ABES / Fenasan 2017